BR Partners

Quais são as etapas de uma operação de M&A?

Uma operação de M&A de sucesso tipicamente envolve várias etapas e conhecimentos de diversas áreas de atuação. Empresas interessadas que entendem e se preparam para esse processo podem potencialmente aumentar a certeza do fechamento, otimizar o preço minimizando riscos e maximizar o valor criado. 

Não há uma regra ou uma lei que regulamente um processo de M&A. As etapas são constituídas a partir da experiência adquirida ao longo das décadas em que este processo amadureceu. De forma geral, podemos dividir em 8 partes principais:

Estratégia de aquisição. Nesta primeira fase, são identificadas as motivações, seja da empresa ou dos acionistas, que justificam um processo de M&A. É avaliado como e por quê o procedimento agrega valor ao negócio, definindo os critérios que balizarão o processo de avaliação.

Identificação e contato com empresas alvo. Após definir a estratégia de M&A a ser adotada, é preciso definir uma lista de empresas alvo que se encaixam no perfil que a companhia adquirente busca. As empresas candidatas são identificadas, avaliadas e classificadas conforme o seu potencial em satisfazer os objetivos e metas da companhia adquirente.

Troca de informações. O primeiro contato com as empresas fornecerá uma melhor visão das intenções das companhias envolvidas, possibilitando a escolha de um alvo definitivo. Quando as duas partes decidem levar adiante a transação, há uma troca preliminar de informações para que as companhias possam melhor avaliar os possíveis benefícios do processo de M&A.

Execução da análise de avaliação. De posse de informações como o histórico, produtos e demais informações financeiras da empresa alvo, bem como da companhia adquirente, ambas as partes podem iniciar o processo de avaliação para estimar o real valor do negócio. Nesta fase, são avaliadas as extensões das sinergias resultantes da transação, que podem emergir em forma de redução de custos e maior poder de mercado, por exemplo.

Negociação e oferta. As partes possuem interesses distintos. A parte compradora deseja desembolsar o menor valor possível no negócio, enquanto a parte vendedora deseja receber a melhor oferta que puder pela transação. Nesta etapa, as duas companhias se reúnem e discutem qual a melhor forma de negociação e quais os termos do negócio. Uma vez que o adquirente tenha informações suficientes para permitir a construção de uma oferta razoável, a oferta é apresentada e as duas empresas podem negociar os termos com mais detalhes.

Due diligence. A due diligence (ou “devida diligência”) é uma etapa exaustiva que começa quando a oferta é aceita, por ser um processo minucioso, completo e abrangente de checagem de informações fornecidas pela companhia vendedora que visa confirmar ou corrigir a avaliação feita pela companhia adquirente. A due diligence ajuda a entender completamente os problemas, oportunidades e riscos envolvidos na transação.

Estruturação do negócio. Após a conclusão da due diligence, é preciso definir a forma de incorporação da empresa alvo à empresa compradora. Os custos tributários e os impactos fiscais têm influência direta na condução desta etapa. Questões logísticas, regulatórias, operacionais e culturais são avaliadas e equacionadas nesta fase do processo de M&A.

Integração. Esta fase final é fundamental para garantir o sucesso de toda a operação. As equipes de gerenciamento da companhia adquirente e da empresa-alvo trabalham em conjunto para o sucesso final da operação. Vários fatores influenciam a forma de integração, tais como o tamanho da empresas envolvidas, capacidade gerencial instalada e cultura corporativa.

Qual o papel dos bancos em um processo de M&A?

O processo de M&A é bastante complexo. Uma transação pode levar meses, ou até mesmo anos, para ser concluída. Por isso, há a necessidade de contar com profissionais qualificados e com a expertise de lidar com operações altamente estruturadas. Os bancos de investimentos são entidade do mercado que lidam com grandes captações de recursos e fornecem suporte durante todo o processo M&A.

A atuação dos bancos de investimento em cada operação de M&A pode ir desde a concepção da proposta de consolidação entre as companhias até à integração final das partes. Esse serviço pode ser prestado tanto para a parte vendedora ou absorvida quanto para a parte adquirente. Os bancos de investimento muitas vezes são os responsáveis pelo mapeamento dos potenciais alvos e por dar o devido andamento e assessoramento econômico-financeiro às operações de M&A, avaliando todos os tipos de sinergias envolvidas. Por fim, também são um serviço especializado que supre a necessidade de capital dos seus clientes, com a finalidade expandir negócios e levantar recursos.