BR Partners

Categorias
Dicionário de Negócios

O que é Due Diligence em Mergers & Acquisitions (M&A)?

Todas as operações de M&A envolvem uma grande quantidade de due diligence.  Trata-se de uma “diligência prévia”, ou seja, tomar medidas prudentes perante um investimento em potencial. É um processo profundo de análise e avaliação de informações e documentos de uma empresa.

As transações que passam por due diligence apropriada oferecem maiores chances de sucesso ao aprimorar a qualidade dos dados disponíveis para cada um dos tomadores de decisão. É através da due diligence que as partes interessadas confirmam informações como contratos, finanças e clientes. Assim, em posse de um melhor panorama dos fatores que possam contribuir para o sucesso da operação, os riscos envolvidos são eliminados ou mitigados.

Em aquisições, a devida diligência permite que o comprador se sinta mais à vontade que suas expectativas em relação à transação estejam corretas. No entanto, também podem oferecer benefícios para o vendedor, pois o rigoroso exame financeiro pode revelar que o valor de mercado da empresa-alvo é maior do que se pensava inicialmente. Portanto, não é incomum que os vendedores preparem os relatórios de due diligence antes de possíveis transações.

Quais os custos de Due Diligence?

Os custos de se submeter a um processo de due diligence dependem do escopo e da duração do processo, que variam de acordo com a complexidade da empresa-alvo. 

Em geral, as partes envolvidas no negócio determinam quem arcará com as despesas da devida diligência. Tanto o comprador quanto o vendedor precisam de equipes de analistas, contadores, advogados e outros consultores para o sucesso da transação.

Quais aspectos de uma empresa estão sujeitos a Due Diligence em uma transação de M&A?

Os processos de due diligence mais recorrentes se referem às análises contábil e financeira, tributária, trabalhista e legal. A due diligence anticorrupção também está em evidência, em função das novas leis brasileiras e internacionais.

Entender os objetivos de negócios por trás da aquisição é essencial. Esse entendimento ajudará a equipe a priorizar o esforço de diligência e determinar quais informações são importantes para revisar e quais podem ser ignoradas.

As etapas da Due Diligence 

A due diligence em uma operação de M&A é um processo que envolve várias partes, como:

  1. Avaliação das metas do projeto: a primeira etapa define as metas corporativas. Isso ajuda a identificar os recursos necessários, o que se precisa coletar e, finalmente, garantir o alinhamento com a estratégia da empresa.
  2. Análise dos dados financeiros dos negócios: Esta etapa é uma auditoria exaustiva dos registros financeiros. Isto ajuda a avaliar a integridade dos ativos da empresa, avalia o desempenho e a estabilidade financeira geral e detecta quaisquer sinais de alerta.
  3. Inspeção completa dos documentos: O comprador solicita os respectivos documentos para auditar, realiza entrevistas ou pesquisas com o vendedor e realiza visitas ao local. Capacidade de resposta e organização do vendedor são essenciais para agilizar esse processo. Caso contrário, poderá criar uma experiência árdua para o comprador.

Em seguida, o comprador examina as informações coletadas para garantir práticas comerciais adequadas, além de conformidade legal e ambiental. Essa é a parte principal do processo de due diligence.

  1. Análise do plano e modelo de negócios: Aqui, o comprador analisa especificamente os planos e o modelo de negócios da empresa-alvo. Avalia-se se a operação é viável e até que ponto o modelo da empresa-alvo se integra ao da empresa compradora.
  2. Formação final da oferta: Depois que informações e documentos são reunidos e examinados, indivíduos e equipes colaboram para compartilhar e avaliar suas descobertas. Os analistas utilizam as informações coletadas para executar técnicas e métodos de avaliação.
  3. Gerenciamento de Riscos: O gerenciamento de riscos analisa a empresa-alvo de forma holística e avalia riscos que podem estar associados à transação.

Assim, ao passar pelo processo de due diligence em uma operação de M&A, pode haver ou não a confirmação da transação, e com as informações adquiridas finalmente iniciar a integração das empresas envolvidas. 

Categorias
Dicionário de Negócios

Entenda o que são as operações de M&A

M&A (do inglês mergers and acquisitions, ou “fusões e aquisições”) é o termo geral utilizado para designar o processo de consolidação entre duas ou mais empresas. O objetivo principal das operações de M&A é utilizar a sinergia existente entre diferentes negócios para que o todo (a nova empresa combinada) tenha maior valor que a soma das partes (cada empresa operando separadamente).

Apesar do termo M&A se referir a fusões e aquisições, há importantes distinções entre elas. Fusões ocorrem quando duas empresas de mesmo porte relativo combinam suas operações para formar uma nova entidade, e cada uma das empresas originais deixa de existir. Aquisições ocorrem quando uma empresa adquire outra por meio da compra de participação acionária majoritária, incorporando as operações da segunda empresa, que deixa de ser independente.

Como operações de M&A criam valor?

As sinergias entre diferentes empresas que resultam na criação de valor após uma operação de M&A podem ser divididas em quatro fontes principais:

Sinergias operacionais. Quando duas companhias possuem produtos ou serviços similares, combinar operações pode criar oportunidades para redução de custos e aumento da eficiência através de economias de escala (como combinação de plantas, redução de redundância de pessoal, compras maiores de insumos com desconto); também pode aumentar o crescimento das operações em mercados novos e existentes ao unir as capacidades das redes de distribuição e marketing; e pode aumentar o poder de precificação da empresa dada a diminuição da competição e maior fatia do mercado, aumentando as receitas operacionais.

Sinergias financeiras. A empresa combinada irá possuir operações maiores, e pode se beneficiar de maiores notas de crédito e menores custos de financiamento, pela previsibilidade das receitas e do fluxo de caixa, assim como maior capacidade de endividamento e maiores benefícios tributários.

Diversificação. A união das receitas operacionais e dos riscos específicos de cada empresa pode gerar uma diversificação que mitiga o risco da empresa combinada e torna suas operações mais estáveis. Esse fator é preponderante quando a combinação é entre firmas que atuam em indústrias distintas.

Controle organizacional. Algumas empresas são mais eficientemente administradas que outras, e uma fusão ou aquisição pode gerar reestruturações administrativas que melhoram a eficiência das operações e geram valor.

Apesar da ampla gama de benefícios potenciais das operações de M&A, é importante ter um entendimento abrangente das oportunidades e dos processos necessários para uma execução de sucesso.

Utilize o formulário abaixo

COMUNICADO
Este portal utiliza cookies (incluindo cookies dos nossos parceiros) para fornecer a melhor experiência possível para você, além de monitorar e analisar o tráfego no nosso website. Suas preferências podem ser alteradas a qualquer momento nas definições de cookies de seu navegador. Saiba mais sobre a forma como usamos os seus dados visitando a nossa Política de Privacidade.